O que é a plataforma We.Trade?

No início de julho, um grupo de bancos da Europa anunciou o uso da plataforma We.Trade. Segundo a publicação da BTCSoul, o projeto – que incle Deutsche Bank, o HSBC, o KBC, o Natixis, o Nordea, o Rabobank, o Santander, o Société Générale e o UniCredit – conseguiram realizar com sucesso a primeira transação entre fronteiras através da plataforma.

Esse experimento durou cinco dias e o HSBC chegou a informar que três clientes conseguiram concluir as transações. Entre uma delas, a Fluid Pumps conseguiu realizar uma transação de conta aberta com um cliente na Finlândia.

Na sua essência, os bancos desempenham um importante papel na cadeia financeira. E comércio para eles pode ser complicado, devido aos altos riscos que podem afetar operações inteiras. Por isso, um funcionamento de uma plataforma como o We.Trade pode ajudar no desenvolvimento das negociações.

Mas, apesar de seu primeiro uso com sucesso na Europa e já sendo bem avaliada, o que é, de fato, a plataforma We.Trade?

A plataforma

Construída pelos nove bancos citados anteriormente, o We.Trade é um balcão digital para realização de comércio. Com o uso da tecnologia Hyperledger Fabric, ela está empregada na plataforma de Blockchain da IBM e oferece aos clientes dos bancos uma experiência única quanto a tecnologia.

O objetivo é aumentar a eficácia das transações internacionais através de uma interface simples. Ela também se aproveita do uso dos contratos inteligentes para abrir ainda mais oportunidades. A plataforma permite facilmente a criação de pedidos de troca e selecionar produtos bancários, liquidações e condições de pagamento.

Ela também pretende permitir aos bancos uma facilitação nas transações comerciais com maior transparência, mais automação e menor risco. Pelo uso da tecnologia Blockchain, a plataforma We.Trade consegue fazer o usuário gerenciar todo o seu processo da negociação do pedido de pagamento e garantir que seus acordos sejam cumpridos.

Segundo o presidente da plataforma, Hubert Benoot, ainda são muitos os problemas na Europa. De acordo com ele, os principais defeitos vem da natureza bilateral entre as relações comerciais. E o We.Trade vem com a intenção de justamente, quebrar isso.

A realidade do We.Trade

Totalmente automatizada, ela já opera em 14 países do continente, mas, segundo o diretor operacional, Roberto Mancone, é possível que haja uma expansão. Sua intenção é atrair novos bancos para expandir a plataforma ainda mais pela Europa. Mas também para outros continentes.

No mês de maio, a CoinDesk chegou a revelar que a empresa estava planejando seus testes iniciais em maio, mas adiaram. Nessa mesma época o grupo francês Société Générale revelou que o desenvolvimento da plataforma pode ser dada por ela focar no comércio de pequenas e médias empresas.

“À medida que a We.Trade passou de aplicativos pilotos para transações transfronteiriços em tempo real, demonstrou o poder da tecnologia Blockchain em um ambiente corporativo”, disse Parm Sangha, líder de Blockchain da IBM na Europa.

O que faz o We,Trade funcionar do modo que deseja é graças ao Hyperledger Fabric. Sendo um projeto colaborativo, seu objetivo é conseguir suportar livros razão prontos para transações de grandes industrias, distribuídos pela Blockchain. Com o uso dessa ferramenta tecnológica, o We.Trade consegue adotar os contratos inteligentes e assim melhorar a transparência.

FONTES

Fonte1

Fonte2

Fonte3

 

Comentários