Novo projeto de Bitcoin movido a energia solar

Novos projetos de bitcoins e implementação da tecnologia blockchain têm chamado a atenção de diversos investidores. Estes empreendedores são surpreendidos por diversas ideias que têm como objetivo melhorar a vida cotidiana da humanidade.

Agora, surgiu uma novidade com a mais popular das moedas digitais que pretende utilizar energia solar!

William Shatner, o homem por trás do Capitão Kirk no programa de TV “Jornada nas Estrelas – Star Trek” dos anos 60, juntou-se à crescente multidão de celebridades que expressam sua admiração pelas criptomoedas. Além disso, já destacou publicamente a função peer-to-peer e poder descentralizado do Bitcoin.

Recentemente, Shatner se associou à Solar Alliance (TSR -V: SOLR), de Vancouver, para desenvolver um empreendimento com energia alternativa.

Bitcoin com energia solar?

A Solar Alliance anunciou que seu mais recente projeto será instalado em uma fábrica abandonada, no sul de Illinois. Trata-se da construção de uma operação para minerar Bitcoins, mas movida a energia solar.

Como a mineração não ocorre fisicamente (são procedimentos computadorizados), a energia será aproveitada para os computadores que fazem os cálculos e descifram as criptografias. Foi informado também que os espaços disponíveis na empreitada poderão ser alugados por empresas.

Também foi revelado que a empresa está se unindo a outras como NastyMining e a HydroMiner para enfrentar a competitiva e nova indústria de mineração de bitcoins com energia renovável.

A NastyMining usa energia solar e eólica no Arizona para minerar. No entanto, a HydroMiner foi criada por duas irmãs na Áustria que utilizam a energia hidrelétrica.

Shatner não é a primeira celebridade a ficar a frente da tecnologia Bitcoin e blockchain. Em 2013, o ator Ashton Kutcher (“The Ranch”, da Netflix) falou muito bem de “tecnologia descentralizada”. Donald Glover (“Han Solo: Uma História Star Wars”) expressou sua admiração pelo Bitcoin em uma entrevista de 2013 com a Time. Jamie Foxx (“Ray”) tuitou sobre Cobinhood, exchange internacional.

O empreendimento da Solar Alliance espera que os locatários de mineração estejam alinhados para seu espaço em Illinois até o final de 2018. Uma parte do espaço será reservada para treinamento em instalação de painéis solares. Segundo o CEO, Jason Bak, empresas de serviços públicos que utilizam energia renovável serão economicamente beneficiadas, pois há grande consumo de energia e proporcionalmente despesas exigidas pela mineração caso optassem pela convencional elétrica.

A mineração de Bitcoin é um processo competitivo em que os computadores, ou “mineradores”, em todo o mundo tentam resolver um cálculo matemático. O quebra-cabeça envolve transações sendo adicionadas ao blockchain a cada dez minutos. A partir de 2018, mineiros que resolvem o quebra-cabeça recebem 12,5 bitcoins, ou cerca de US $ 80.000 (14 de junho).

No entanto, o trabalho pode ser caro, pois sistemas de computador mais complexos têm uma chance melhor de resolver o quebra-cabeça primeiro. Também pode ser, como muitos críticos apontaram, não muito amigável ao meio ambiente, já que mais computadores competindo pelo prêmio significam mais eletricidade usada.

William Shatner e o projeto de mineração movido a energia solar da Solar Alliance pretendem mudar isso.

FONTE

Beatriz Flor

Beatriz Flor Autor

Comentários