Estudo revela que Bitcoin não serve como dinheiro

Na última segunda-feira (18), o Banco de Compensações Internacionais (BIS) revelou que o Bitcoin como dinheiro não é mais realidade. A justificativa é que essas criptomoedas não possuem confiança no valor. E na capacidade de crescimento no volume na mesma proporção de demanda.

Segundo a publicação do site Valor, o Banco afirma que o Bitcoin foi criado para atrair empresas e investidores por prometerem substituir antigas instituições. Mas essa confiança pode desaparecer a qualquer hora. O mesmo explica que o “bom dinheiro” funciona na base da confiança, principalmente na estabilidade de valor.

O estudo realizado também informa que, mesmo com uma confiança estática, a tecnologia ainda tem uma eficiência ruim e exige uma alta quantidade de energia elétrica. Afirma que elas são um fraco substituto para a proteção sólida do dinheiro real.

Ainda que as criptomoedas não estejam com uma realidade positiva, o Blockchain tem um potencial potencial. Mas ainda limitado.

O surgimento do Bitcoin também trouxe a confiança baseada no registro distribuído. Feito para simplificar processos administrativos na liquidação de transações financeiras. Mas, devido ao limite do Blockchain, essa tecnologia também pode ser travada.

De acordo com o texto, esse registro ocupa 170 gigas de memória. Mas seu crescimento é de 50, anualmente. “Os volumes de comunicações associados a isso poderiam derrubar a internet, com milhões de usuários trocando arquivos da ordem de magnitude de um terabite”, explica o estudo.

Outros problemas do Bitcoin como dinheiro

Entre todos os problemas, a demora também está sendo um deles. Por mais que a criptomoeda tenha sido criada com a intenção de facilitar transações e acelera-las, a realidade mostra outro meio. O texto fala que, atualmente, é processado 3,3 transações por segundo pelo Bitcoin. Enquanto isso, a Visa processa 3,526.

É informado também, que quanto mais pessoas usam, mais trabalhoso é o pagamento. Porque quanto mais gente usa, mais forte é o incentivo para usar a moeda. Isso acaba formando um grande tráfego, existindo assim, a lentidão.

O surgimento de diversas outras criptomoedas também atrapalham sua melhora. A CoinLib divulgou dados que mostram que já existem mais de 4 mil criptomoedas em circulação. A instabilidade, mas principalmente, a volatilidade da criptomoeda são resultados desse crescimento.

Fonte

Comentários