Especialista fala sobre Bitcoin “congelar”

Diversos economistas apontam que a criptomoeda bitcoin pode estar passando por um momento um tanto danoso. Alguns dizem que a moeda está “congelada”, como se fosse colocada em espera. Contudo, não desconsideram o fato de seu valor ter permanecido consistente durante todo o último mês de abril.

Em uma entrevista para o portal Suptnik França, a analista russa Veronika Dneprovskaya comentou sobre aquilo que se pode esperar em relação a moeda, sobretudo quanto aos meses que virão. Mesmo o futuro parecendo incerto, todavia, suas perspectivas mostraram-se otimistas em certo grau.

Mas o que a analista revelou?

Atualmente trabalhando para a corretora Alpari, Veronika relembrou o quão volátil é a moeda digital, uma vez que em 2017 alcançou seu ápice e, em seguida, bruscas quedas.

Em dezembro do ano passado, o bitcoin bateu o recorde de valer aproximadamente 20 mil dólares, mas em fevereiro de 2018 caiu para 6 mil.

Com isso, ela acentuou o quanto o preço de mercado da criptomoeda está subordinado a alguns tópicos determinantes: o fluxo de demanda e oferta, a efetuação de legislação internacional no campo digital, além do seu dificultoso trabalho de mineração.

Portanto, seu crescimento será influenciado diretamente por estes fatores. Nos próximos meses, significativas mudanças poderão impulsionar a valorização do bitcoin. Entretanto, observa-se que atualmente ele, de fato, aparenta estar “congelado”, quase estagnado.

Também foi ressaltado que a implementação da regulamentação mundial para os ativos digitais poderá aumentar a esperança dos investidores, mas ainda é cedo para apurar tal informação.

Com maior confiança, mais interessados surgem para o investimento. Somando isto à complexidade do bitcoin em ser minerado e sua oferta restrita (somente 21 milhões podem ser emitidas, sendo que 17 milhões já foram), é possível presumir que a moeda digital acabe se valorizando mais.

Para Dneprovskaya, as demais criptomoedas deverão seguir a tendência do bitcoin, porque os códigos que as compõem são baseados nesta mesma moeda. Entretanto, é importante ressaltar que isso não significa que seus valores, de repente, se mostrarão tão altos como os de bitcoin.

FONTE

Gabriel Claudino

Gabriel Claudino Autor

Gabriel Claudino tem 23 anos, é ator e cursa Letras na USP (Universidade de São Paulo). Atua como criador de conteúdo no Portal do Blockchain.

Comentários