Entenda as expressões básicas da Blockchain

Entenda as expressões básicas da Blockchain

O mercado das moedas digitais já está ativo. E cresce a cada momento. Mas ainda são vários termos confusos que podem atrapalhar sua primeira experiência nesse mundo financeiro que está fazendo o mundo girar. Para ajudar na compreensão, decidimos começar explicando expressões básicas desse meio.

Blockchain

O nome do nosso portal já traz um termo essencial para o universo das moedas digitais. A Blockchain – ou cadeia de dados – é uma espécie de plataforma que foca na descentralização. Ou seja, é uma base para registrar todos os dados de uma transferência ou de uma ação com as moedas digitais.

Esses dados são distribuídos e compartilhados com todos os usuários que estão nesta Blockchain. Pense nela como um diário, onde é anotado tudo o que você fez no dia, com quem e onde. Mas, de forma pública e universal. Cada página desse diário também recebe um nome. Elas são chamadas de “blocos”, que são, basicamente, o pacote que guarda os dados registrados.

Essa leitura dos registros, cria a confiança na comunicação entre os usuários diretamente na plataforma. Portanto, caso você queira realizar uma transferência de qualquer valor, não precisa de um banco, por exemplo.

A palavra Ethereum também já está na boca do povo quando o assunto é criptomoeda. No caso, ela é uma espécie de Blockchain, mas é programável. Ela procura solucionar problemas de fraude e interferência. Além de executar os contratos inteligentes (que será explicado ainda neste texto).

Carteira digital

O primeiro passo para ter qualquer moeda digital, é ter uma carteira segura. Igual na vida real. E de forma fácil você consegue criar em diferentes sites e de graça. Por ser virtual, ela pode ser guardada tanto no seu computador quanto no seu celular.

Pelas moedas digitais não serem físicas, elas são geradas através de chaves criptográficas, tanto públicas quanto privadas, que são formadas por uma série única de códigos. A chave privada, por exemplo, é usada apenas pelo usuário e não pode, de jeito nenhum, ser revelada ou guardada de forma online, já que o risco de ataques de hackers é grande.

Já a pública permite compartilhamento, para receber fundos, por exemplo. E existem diferentes tipos de carteira. As carteiras de papel ou carteiras-dispositivo armazenam as moedas de maneira offline. Um outro estilo são as carteiras que trazem um armazenamento quente, ou seja, de forma online.

Depois de criar sua carteira, será gerado um local para onde suas moedas serão transferidas. E a cada transação, um novo local é gerado.

Bitcoin

Esta é a famosa moeda virtual que todos já ouviram falar. Considerada a primeira existente, ela é descentralizada, ou seja, tem um código aberto executado em uma rede global. No meio do mercado, é também conhecida pela abreviação BTC. Então, caso veja essa sigla em algum lugar, já saiba do que se trata.

Para diferenciar a Bitcoin das outras criptomoedas que vem crescendo, é usada a expressão Altcoin.

Fiat 

Nada ligado a automóveis, é uma das expressões básicas mais citadas. Também chamada de moeda fiduciária, é o dinheiro tradicional. Isto é, são legalmente reconhecidas e criadas pelo governo. Diferente da Bitcoin, que é descentralizada, a Fiat é controlada. Ela é normalmente criada para desviar de obstáculos financeiros e econômicos.

ICO

É uma das principais expressões básicas. ICO é o termo dado à oferta inicial de criptomoeda. Ela serve como um cruzamento entre campanhas e financiamentos coletivos. Então, nesse caso, alguns projetos de criptomoedas surgiram com os ICOs. A diferença está na barreira de entrada que tem para entrar em uma.

E por ser uma rede toda descentralizada, qualquer um pode propor a criação de uma rede ou um token (moeda) novo(a).

Contrato Inteligente

Como o próprio nome já identifica, é uma espécie de documento que oficializa com detalhes o seu objetivo, seja ele uma compra ou uma venda. Ele também possibilita os usuários verificarem informações de outras pessoas. Por serem programados, eles oferecem a capacidade de definições das partes, que são executados e verificados na Blockchain.

Na esperança de serem mais usados e serem mais populares, possibilita a economia de tempo e dinheiro.

Exchange 

É usado para classificar tudo aquilo que facilita o processo de compra e venda das criptomoedas. Como explicado no texto “Como funciona o trabalho de uma exchange?”, sua função garante a segurança e a rapidez ao processo da transação.

A compra de uma bitcoin, por exemplo, é realizada dentro de uma exchange. No caso, o comprador estimula quanto quer pagar e o vendedor por quanto quer vender. Quando a compatibilidade dos valores acontecer, ocorre a transação. Bem parecido como uma casa de câmbio.

Mineração 

Você já deve ter lido em vários lugares o conceito da mineração da criptomoeda. Mas não tem nada de pegar uma picareta e sair procurando moedas digitais. Essa ação exige não só um computador potente, mas também a capacidade em resolver problemas matemáticos.

Porque o trabalho dos mineradores é validar as transações na Blockchain. Acontece quando é verificado um bloco inteiro, que pode ter centenas de transações acontecendo. Então, na verificação, eles resolvem os problemas, o que acaba gerando linhas de códigos. Assim, é possível validar as ações.

Depois de verificadas, os mineradores recebem criptomoedas como “pagamento”. Mas isso não significa ser um trabalho lucrativo, já que exige muita energia e equipamentos potentes para conseguir realizar a ação antes de todo mundo.

FONTES

Fonte1

Fonte2

Fonte3

Receba novidades sobre Blockchain no Seu Email
Join over 3.000 visitors who are receiving our newsletter and learn how to optimize your blog for search engines, find free traffic, and monetize your website.
We hate spam. Your email address will not be sold or shared with anyone else.

Comentários