Conferência de Blockchain no Brasil fala sobre regular mercado

Ocorreu nesta última quarta-feira (dia 23 de maio), o Blockchain Festival em São Paulo. A conferência trouxe novidades e debates interessantes, aliás contando com novos nomes ligados ao mercado das criptomoedas.

Sobretudo, foi colocado em pauta as medidas regulatórias para o sistema de blockchain no território brasileiro. O painel que contou com o advogado Bruno Balduccini chamou bastante a atenção da mídia especializada.

Imagem de divulgação do Evento – Via “Portal do Bitcoin”

 

O especialista foi enfático em sua tese, porque declarou que ainda não estamos no momento de regular esse sistema. Ao pegar o microfone, ele deixou claro suas convicções. Segundo Balduccini, sempre irá existir um “vácuo na regulamentação” enquanto houver inovações.

O advogado também apontou que, em determinados cenários, será necessário alterar as leis. Tudo porquê as regras deveriam ser empregadas às aplicabilidades da “verificação distribuída”.

Um exemplo disso é a questão envolvendo direitos autorais de diferentes marcas. Para que a causa de anterioridade seja estabelecida, é necessário tanto uma lei regulamentadora, quanto um órgão específico para os registros.

Outro integrante deste painel, Gustavo Fosse (atual diretor do setor de TI no Branco do Brasil), pensa diferente. Primeiramente, ele teceu elogios ao blockchain. Assim, o caracterizou como inovador e causador de disrupção. Contudo, crê que uma regulação, em conjunto a uma padronização, é necessário.

Fosse também falou sobre uma interoperabilidade entre as plataformas digitais, como forma de diálogo entre cada uma. Todavia, não é otimista ao pensar sobre a aplicação do blockchain no varejo do Brasil, por uma questão de escala.

O terceiro palestrante, Gustavo Paro (que trabalha para a Microsoft) ressaltou que as formas de regular o mercado se mostraram positivas em outros países.

Em contrapartida, Paro afirmou que a padronização já está sendo aplicada em alguns lugares. Sua empresa, por exemplo, está envolvida em um tipo de consórcio com a Ethereum, sem planos para remodelar o protocolo vigente. Revelando, deste modo, formatos de adequação que empresas como esta estão encontrando na prática.

FONTE

Gabriel Claudino

Gabriel Claudino Autor

Gabriel Claudino tem 23 anos, é ator e cursa Letras na USP (Universidade de São Paulo). Atua como criador de conteúdo no Portal do Blockchain.

Comentários