Grandes Bancos têm o poder de aderir ou quebrar o Bitcoin

Durante anos, os grandes bancos desempenharam um papel importante na gestão de empregos e fluxo monetário globalmente. Agora, se veem a frente de um novo desafio: aderir ou recusar bitcoins?

Eles têm sido os guardiões das moedas nacionais que circulam entre os bancos centrais e o público em geral. Além disso têm coletado taxas pesadas para essa função. Taxas estas que pagam salários e bônus de funcionários, fora os dividendos de seus acionistas.

Nos últimos meses, o novo papel desses grandes bancos foi de também salvaguardar o dinheiro que flui entre as moedas nacionais e criptomoedas. Principalmente o Bitcoin.

É por isso que estas entidades bancárias podem aderir ou optar por quebrar a principal moeda digital.

Qual ação podem tomar?

A resposta depende se os grandes bancos desenvolvem ou não seus próprios blockchain e se o Bitcoin será usado como um substituto ou como um complemento às moedas nacionais.

Alguns especialistas em criptomoedas acham que os grandes bancos não podem deter o Bitcoin, mesmo que desenvolvam sua própria blockchain. Joe Onyero, C. EO e fundador da Bebuzee, é um deles.

“Os grandes bancos não podem quebrar o Bitcoin, mesmo que criem seu próprio blockchain”, diz Onyero. O empresário acredita que esta medida iria conta os princípios da nova tecnologia digital, pois “é vista como uma revolução tecnológica uma vez que é descentralizada”. Portanto, “os bancos não têm escolha senão adotar o Bitcoin” e, assim, abrir “o caminho para uma ampla aceitação ”.

Joe Onyero enxerga também que as instituições financeiras vão gerar moedas digitais, caso aceitem se adaptar ao mercado.

Isso não significa que o Bitcoin irá substituir o dinheiro fiduciário. “A criptografia não vai substituir o dinheiro fiduciário, o fiat será usado para algumas coisas, enquanto o Crypto para os outros, e mais pessoas provavelmente irão bancar com quem fizer isso mais fácil”, conclui Onyero.

FONTE

Beatriz Flor

Beatriz Flor Autor

Comentários