Bancos usam plataforma de Blockchain da IBM

Após o processo de desenvolvimento a mais de um ano, ocorreram as primeiras transações dos grandes bancos europeus na plataforma de blockchain para financiamento comercial da IBM.

Por meio de quatro bancos, dez empresas conseguiram executar sete transações comerciais em cinco países nos últimos cinco dias. Estas são as primeiras transações comerciais que utilizam a tecnologia blockchain para serem consideradas comercialmente viáveis.

Solução de comércio digital que foi desenvolvida usando a tecnologia blockchain da Hyperledger Fabric, aproveita os contratos inteligentes para possibilitar que os pagamentos baseados em eventos sejam feitos automaticamente.

Após um processo de licitação competitivo que atraiu seis empresas de tecnologia, a IBM recebeu o contrato para oferecer uma plataforma baseada em nuvem no ano passado, em junho.

Os membros do consórcio incluem UniCredit, Société Générale, Santander, Rabobank, Nordea, Natixis, KBC, HSBC e Deutsche Bank . Para tornar a plataforma blockchain uma realidade, todos os procedimentos internos e a governança dos bancos foram atendidos.

Originalmente conhecido como cadeia de comércio digital

O consórcio, que inicialmente recebeu o nome de Digital Trade Chain, foi formado em 2017 com o objetivo de fechar as lacunas de financiamento que prejudicam tanto o comércio transfronteiriço como o doméstico no que diz respeito às pequenas e médias empresas localizadas em Europa.

No mês passado, foi criada uma entidade legal para a plataforma, a fim de permitir que os parceiros do consórcio oferecessem a solução blockchain aos seus clientes. Isso resultou na formação de uma tecnologia conhecida como Innovation DAC, que foi incorporada em Dublin, na Irlanda . Os nove bancos fundadores são acionistas iguais na JV que possuirá, administrará e distribuirá a plataforma blockchain.

Olhando além das fronteiras geográficas

Atualmente, nós.trade está disponível em onze países da Europa e isso inclui o Reino Unido, Suécia, Espanha, Noruega, Holanda, Itália, Alemanha, França, Finlândia, Dinamarca e Bélgica.

Segundo o diretor de operações, Roberto Mancone, a tecnologia batizada de “joint venture”, no entanto, não se limitará aos países nos quais seus membros fundadores estão baseados:

“… Estamos muito satisfeitos por ter lançado pela primeira vez no mundo, uma plataforma baseada em blockchain que melhora a experiência geral do cliente ao negociar internacionalmente. O próximo passo será obter o buy-in de bancos adicionais e seus clientes na Europa e em outros lugares ”.

Além de expandir para novos mercados, nós também procuramos permitir que alguns bancos ingressem em uma base de tipo de licença, pois isso permitirá uma expansão mais rápida para o maior número possível de instituições financeiras.

Esses bancos receberão seu próprio nó no blockchain, permitindo que eles ofereçam aos seus clientes acesso à plataforma. Além disso, a “joint venture” pretende recrutar outros parceiros comerciais, incluindo agências de crédito, agentes de carga e embarcadores.

FONTE

Beatriz Flor

Beatriz Flor Autor

Comentários