Austrália procura investidores de criptomoedas

Agência tributária da Austrália usará técnicas avançadas de correspondência de dados por meio de acordos de compartilhamento com outras nações para procurar investidores de criptomoedas em bolsas estrangeiras.

Um momento em que a CPA Austrália – o órgão contábil do país – estima que “centenas de milhares” de contribuintes australianos minerem criptomoeda.

O Australian Tax Office (ATO) vai perseguir os cidadãos que escondem seus ganhos de comércio de criptografia no exterior para lembrá-los de suas obrigações fiscais usando acordos de compartilhamento de dados com outras nações.

Falando ao Australian Financial Review ($), o vice-comissário interino da ATO, Martin Jacobs, revelou que a autoridade “não está realmente alarmada” por potenciais riscos de cumprimento de impostos específicos de criptografia. No entanto, ele acrescentou:

“Onde as pessoas tentam deliberadamente evitar essas obrigações, tentaremos agir. Temos uma gama de poderes existentes que são projetados para tratar da riqueza inexplicável e do consumo conspícuo que podem surgir através de lucros derivados do investimento em criptomoeda. ”

Como relatado anteriormente, o ATO está usando um sistema de verificação de identificação de 100 pontos usando técnicas avançadas de correspondência de dados para investigar investidores em criptomoedas após classificar moedas criptografadas como bitcoin como um ‘ativo’ responsável por impostos sobre ganhos de capital (CGT) sob sua orientação oficial publicada anteriormente.

O ATO já foi fortalecido sob os novos regulamentos de criptomoeda que permitiram que as autoridades efetivamente identificassem e monitorassem as transações de um único investidor registrado nas bolsas de criptomoedas domésticas da Austrália.

“Isso permitirá que as trocas de dados coletem informações de troca de criptografia, as quais poderemos acessar e usar em nossas atividades de engajamento”, disse Jacobs à AFR.

A Austrália também faz parte do grupo de cinco chefes da aliança Global Tax Enforcement (J5), juntamente com autoridades fiscais da Grã-Bretanha, do Canadá, dos EUA e da Holanda. Em um anúncio na semana passada, o grupo confirmou uma nova iniciativa conjunta para combater especificamente crimes financeiros transnacionais usando criptomoedas.

Enquanto isso, a ATO acredita que as implicações fiscais de grandes ganhos serão “confinadas a alguns indivíduos”, de acordo com Jacobs.

Ele afirmou:

“Nosso sentimento é de que a grande maioria dos investidores que aderiram à bolha em 2017 provavelmente está na posição de perda em oposição a um ganho. A outra suposição é que eles provavelmente não descartaram sua criptomoeda. Eles podem estar apenas segurando.

FONTE

Lucas

Lucas Autor

Estudante de Letras (Português - Alemão) da Universidade de São Paulo. Diz que entende de cinema e espera escrever um livro, mas só espera mesmo.

Comentários